FAQs – Cozinha Canina

Para raças de cães  pequenos e médios a partir de 18 meses e para raças de cães grandes a partir de dois anos

Deve, pois além de conter a energia que o cão necessita está balanceada com vitaminas, minerais, aminoácidos e ácidos graxos. Contém também a umidade necessária para saúde dos rins, que a rações secas não possuem.

Alguns cães comem os pratos da cozinha canina com muita avidez em função de seu aroma e gosto o que pode levar a esse episódio, portanto para prevenir dê em dose adequada e parcelada varias vezes nos primeiros dias.

Alguns cães podem exigir uma substituição gradativa, começando com um quarto da dose e subindo a inclusão de um quarto ate atingir 100% da Cozinha Canina.

Não se recomenda uso prolongado para cães em crescimento, gestação e lactação, pois para estes há necessidade de adaptação dos níveis nutricionais.

Solicite que entre em contato conosco. Teremos prazer em apresentar nossos produtos.

Em alguns animais doentes há necessidade de se reajustar níveis nutricionais, portanto o consumo prolongado do produto não esta indicado. São exemplos animais obesos, cardíacos (exigem dieta hipossódica), com severa doença renal. Para eles, teremos em breve formulações especiais.

Cozinha Canina tem alto teor de umidade, ingredientes naturais de fácil digestão e não contém conservantes o que impossibilita, por segurança alimentar prazos de validade longos.

Morna, favorece liberação de aromas das receitas. Os cães vão apreciar.

Alguns ingredientes vegetais, depois de extrusão se tornam excelentes fontes de energia. Outros representam a parcela saudável que garante fibras, necessárias para a saúde do trato digestivo.

Tem carboidratos solúveis extrusados que fornecem energia equilibrada com lipídeos e proteínas. Possui também carboidratos não solúveis que garantem o saudável transito intestinal do cão.

Alguns grãos não são bons para cães, como por exemplo, a soja, lentilha e grão de bico entre outros. Porém como fonte energética saudável o arroz de boa qualidade é bem utilizado pelos cães.

Significa fornecer ao cão, todos os dias alimentos que contem as quantidades corretas e disponíveis de energia, nutrientes essenciais como vitaminas lipossolúveis, vitaminas hidrossolúveis, micro minerais, macro minerais, ácidos graxos, aminoácidos e água.

Sim e com mais saúde e alegria, desde que essa alimentação seja balanceada e com ingredientes que o cão consiga digerir.

Até o primeiro terço da gestação pode ser utilizada. Nos outros dois terços e durante a lactação reajustes nutricionais deverão ser feitos. Aguardem essas novas receitas da cozinha Canina para gestantes e lactantes.

Inicialmente, o aumento no volume das fezes produzidas que poderão ser de consistência pastosa a diarreicas, acompanhadas de aumento de gases intestinais e estomacais. Emagrecimento progressivo, pele e pelagem de má qualidade.

Os nutrientes essenciais são substancias de origem orgânica e inorgânica que o cão não consegue sintetizar em quantidades suficientes para suprir suas necessidades metabólicas e por isso são essenciais a sua dieta. São os aminoácidos, vitaminas, minerais e ácidos graxos, que estão incluídos nas dietas da Cozinha Canina.

O acúmulo de tártaro muitas vezes é encarado pelos donos como um sinal comum de envelhecimento dos cães. No entanto o tártaro constitui uma das etapas de uma doença grave, chamada de “Doença Periodontal”, que na fase final, é responsável pela fragilidade e até queda prematura dos dentes. Ao longo do tempo, as bactérias da cavidade oral combinam-se com a saliva formando na superfície dos dentes um “biofilme” bacteriano muito resistente, chamado de placa dentária, dando origem a uma coloração amarelo esverdeada dos dentes. A sua formação é muito rápida, em menos de 6 horas após a limpeza dos dentes esse acúmulo gera uma gengivite (inflamação da gengiva) e halitose (mau hálito). A placa dentária é mineralizada pela fixação do cálcio presente na saliva, transformando-se assim em tártaro. O tártaro é responsável pela aparência rugosa e textura áspera no dente.

Dietas com elevado teor de humidade obrigam o animal e ingerir quantidades maiores de água, aumentando como conse quência a diurese saudável para depuração das vias urinárias.

São toxinas resistentes ao calor, produzidas por contaminações fúngicas dos alimentos, notadamente dos grãos. Destacam-se entre elas a ochratosina, zearalenona e aflatoxinas. Essas substâncias são responsáveis por inúmeros casos de câncer e falhas reprodutivas.

Sim, o glúten é uma proteína do trigo de baixa digestão com poder agregante (cola de farinha de trigo) que pode determinar alergia alimentas com irritação do cólon, promovendo diarreias severas.

Leite de vaca é rico em lactose e esse açúcar não é bem digerido pelos cães favorecendo o descontrole da flora intestinal determinando fezes moles e gazes.

A American Association Feed Control Official, é um orgão norte-americano que dita os níveis nutricionais das rações caninas, baseados em dados de outro órgão americano o NRC (National Research Council) e em pesquisas mundiais sobre o tema nutrição animal.